O transporte em San Francisco

A cidade da ponte mais famosa do mundo possui 4 tipos de transporte. O bart, que é tipo o metrô deles, o MUNI, que é um ônibus em trilhos mas que também anda debaixo do solo, os bondes que são tradicionais e os ônibus circulares. Recomendo fazer tudo utilizando o transporte público, pois em San Francisco estacionar um carro é praticamente impossível.

bart

O mais rápido deles é o bart, que também possui tarifas mais altas. Se você andar pela Market St., principal rua da cidade, verá inúmeras estações distribuídas. É através dele que você consegue chegar em Oakland (atravessando a bay área por baixo do mar), chegando também em Berkeley e o aeroporto, além de outros pontos estratégicos. É o melhor meio de se locomover na cidade, porém também é fácil se confundir.

mapa do bart em San Francisco
mapa do bart em San Francisco

MUNI

Enquanto estive por lá, por quase 2 meses, o bart entrou em greve 2 vezes. Tive que me virar com o MUNI, que é bem mais lento, para em várias estações e as vezes demora bastante pra chegar. Também é confuso em um primeiro momento, e os vagões e destinos são classificados pelas cores dos trajetos. Para ir de casa até a escola e voltar, eu sempre pegava a linha azul claro (K – a mais demorada) que ia de BALBOA PARK até a POWELL, principal estação da cidade pois fica no centro e perto das lojas famosas. É preciso prestar atenção também no sentido que o MUNI percorre. Inbound é quando está sentido CENTRO, e Outbound é sentido BAIRRO.

mapa do Muni
mapa do Muni

Cable Car

Vou te falar que os bondes lá não possuem uma ampla área de cobertura e andam em linha reta pela cidade em direções diferentes. Mas são ótimos pela experiência e se você tiver muitas subidas (o que não é difícil em SF) pelo seu trajeto. São 3 linhas que fazem as rotas. As filas de espera costumam ser grandes.

  • POWELL/HYDE STREET – maior trajeto do bondinho. Sai da estação central (powell) e vai até a Hyde Street, que fica no píer. Através desta linha você consegue chegar em alguns pontos turísticos: Lombard Street (a rua mais sinuosa do mundo), Fisherman’s Warf (no píer), Chinatown. É possível chegar no Cable Car Museum, que fica entre a Washington e a Mason St.
  • POWELL/MASON STREET – Também sai da powell, corta Chinatown e vai até a Taylor St. E Bay St. Também é possível chegar no Cable Car Museum, que fica entre a Washington e a Mason St.
  • CALIFORNIA ST – Uma reta só. Ele percorre a California St. Inteira indo até o Ferry Building. Ideal para se chegar em Embarcadero.

Ônibus circulares

Eu particularmente acho bem complicado andar de ônibus por lá. Eles dão muitas voltas e não consegui me localizar direito todas as vezes que andei neles. Mas vale a pena pegar da Market e ver os itinerários tanto no google quanto no próprio ônibus.

Valores

Por ficar muito tempo na cidade, acabei comprando o CLIPPER e colocando uma cota alta, que abrangia bart, muni e ônibus. Porém todos eles vendem tickets separados.
Bart – https://www.bart.gov/tickets
MUNI – https://www.sfmta.com/getting-around/transit/fares-passes
Cable Car – http://pt.wikihow.com/Comprar-um-Bilhete-para-o-Bonde-de-S%C3%A3o-Francisco

Mapa Turístico

Para encerrar, gosto muito deste mapa onde mostra as ruas, as rotas e os pontos turísticos, de forma ilustrada. Espero que ajude vocês quando estiverem passeando por San Francisco 😉



Continue Reading

I left my heart in San Francisco – parte 1

Decidi que falar sobre San Francisco requer muito mais de um post. São muitas coisas pra falar, muitas emoções a compartilhar. Portanto, esse vai ser o primeiro de uma série que será postada por aqui.

Confesso que antes de fazer meu intercâmbio, nunca tive pretensão nem vontade de ir para SF. Talvez, um dia, conhecer a Golden Gate, mas nada que me tirasse horas na frente do computador pesquisando igual faço até hoje com Los Angeles.

De início, eu queria juntar a vontade de conhecer a Califórnia, com um investimento, que seria um intercâmbio de estudos. Dentro da minha área, encontrei um único curso que me interessava e naquele momento me senti frustrada pois o curso não aconteceria em LA, e sim em SF. Imediatamente comecei a pesquisar em como me deslocar aos fins de semana para Los Angeles. Resumo: não deu certo chegar em Hollywood. Resolvi aproveitar a belíssima cidade onde eu estava, que aprendi a amar ao longo dos 2 meses em que morei lá.

Sobre a experiência de ser estudante, vou contar em outro post. Hoje, vou falar da incrível oportunidade que foi conhecer San Francisco. Cidade recheada de charme, as casinhas no estilo vitoriano conquistam o coração de qualquer um. Constantemente me lembravam casinhas de boneca, ou até mesmo a lembrança do seriado ‘Três é Demais’ me vinha à mente, o que faz muito sentido já que no seriado as meninas moravam em uma das Painted Ladies, ponto turístico da cidade.

A vida em SF é relativamente cara. O transporte é caro, mas é essencial, uma vez que dirigir pela cidade e principalmente estacionar por lá é tarefa quase impossível. O muni (uma espécie de bonde-metrô sobre trilhos pela cidade), o bart (metrô) e os ônibus te levam para os principais cantos da cidade, já que não considero SF tão grande. Além dos bondinhos, é claro, que te levam do centro até o píer. Porém também acho bem caro o ticket pra andar de bondinho (ou cable car, como eles chamam). Quando eu fui, em 2013, custava U$6, pelo que pesquisei o preço continua sendo esse. E sim, você anda pendurado, sentado, onde tiver espaço. Vai um cobrador dentro e alguém pra guiar o bonde (manualmente! Imagina a força!). Costuma ficar bem cheio, e as filas são bem longas. Recomendo que pegue nos pontos finais, como no centro ou no píer. Para economizar, você pode utilizar o bilhete único deles (o Clipper). Considerar que cubra as viagens de cable car e quantos dias você for ficar na cidade, relacionando custo x benefício. Saiba mais sobre o transporte em San Francisco clicando aqui.

No começo tive muito medo de andar sozinha por lá, pois era tudo desconhecido e eu fui literalmente sozinha viver 2 meses em um lugar completamente estranho pra mim. O que mais senti por lá foi frio hahahaha a cidade venta muito e acredito que além de ser friorenta eu não levei casacos suficiente. Me queimei de frio uma vez, o rosto ficou super vermelho e pra quem olhasse parecia que eu tava bronzeada hahaha mas era puro frio!

Em San Francisco você encontra muita gente de todas as partes do mundo, mas principalmente orientais. É a cidade dos Estados Unidos que mais abriga orientais, entre eles chineses, coreanos, japoneses, e filipinos. A família que me hospedou lá é de Filipinos! São uns amores <3 E são também os orientais a maioria nos cursos de intercâmbio como inglês, preparatórios e certificados profissionais.

Lá também tem o bairro Chinatown, como de costume em quase toda grande cidade americana, repleto de restaurantes japoneses, chineses, tailandeses e tudo que você pode imaginar. Além disso, o melhor lugar para comprar souvenirs é por aqui. Em todo canto você vai ver lojinhas vendendo postais, chaveiros, camisetas, imãs e tudo que é possível fazer com o nome da cidade.

Não bastando, também tem Japantown, outro bairro asiático mas bem diferente de Chinatown. Por aqui as coisas são mais organizadas e limpas, e de vez em quando tem uma feirinha de rua com comes e bebes pra quem curte a cultura oriental.

Falando de San Francisco, não posso deixar de mencionar a famosa Golden Gate Bridge. Falei sobre ela em um outro post e repito algumas coisas aqui: aquele lugar é único e traz uma energia simplesmente diferente. Você pode atravessar a ponte a pé (como eu fiz) e ir curtindo e parando pra observar tudo com calma, ou alugar uma bicicleta. Veja mais informações aqui.

 

Essa cidade significa um lindo pedaço da minha vida que tento transformar em posts no blog. Confira os links relacionados para saber mais e acompanhe os novos posts que vão sair contando um pouco mais sobre como foi minha vida em San Francisco, Califórnia!



Booking.com

Continue Reading