Viajar não é sinônimo de ter dinheiro

Por muitas vezes eu sempre escutei, desde minha primeira viagem internacional: que rica! indo viajar pra outro país! E logo depois que eu voltei, entendi que conhecer lugares não se trata de riqueza material.

IMG_9702

Foto: Londres, maio 2016. Arquivo pessoal.

 

Nunca me considerei uma pessoa rica, nunca ouvi em casa que temos muito dinheiro. O que sempre ouvi foi ‘quem se esforça, guarda dinheiro e vai longe’. E foi exatamente o que fiz. Guardei o dinheiro do meu primeiro estágio em uma poupança, economizei por um bom tempo, cortando gastos fúteis. Em junho de 2013 embarquei para San Francisco, com tudo pago apenas pelo dinheiro do meu estágio (que a considerar a época e a função, não era muito).

O mesmo ocorreu agora com a viagem pela Europa. Eu tinha um objetivo: viajar novamente. Pesquisei valores, locais e eventos mais em conta que pudessem caber dentro do que eu poderia bancar. Abri mão de alguns luxos ao longo do tempo. Guardei novamente em uma poupança tudo que eu ia ganhando. Comprei euro e libra aos poucos, por alguns meses. Nunca fui de fazer muitas compras em viagem. Simplesmente não é o meu objetivo. Gosto de viajar para conhecer lugares, para respirar história, para ver de perto o que os livros da escola, a tv e a internet me mostram. Ativei o modo ‘econômico’ e fui. Irlanda, Holanda, Inglaterra e Itália entraram na minha lista, com uma viagem que durou 15 dias.

Portanto amigos, é possível sim viajar sem ser rico. Corte luxos, abra mão de coisas por um sonho maior. Não importa quanto tempo demore, o que importa é o sonho se realizar. Pesquise opções mais em conta, sintetize passeios e principalmente: faça um roteiro antes de ir. Isso economiza tempo, dinheiro e te faz conhecer mais lugares. Tudo é possível, só basta organização, pesquisa e disciplina para se chegar no seu objetivo. Gastar com viagem é o único investimento que te torna mais rico.

Inspiração de hoje: http://viajeaqui.abril.com.br/vt/blogs/achados/2016/02/22/consumir-menos-para-viajar-mais/?utm_source=redesabril_viagem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_viagemeturismo

Continue Reading

Minha experiência com Airbnb

Hoje vou falar um pouco sobre minha primeira experiência como cliente do Airbnb. Vou confessar que tinha um pouco de receio do tipo de serviço que a empresa faz o intermédio (ela faz a ponte entre os interessados em hospedagem e os que possuem vagas em suas casas para hospedarem alguém. Não oferece um serviço de hotel próprio). Pensava ‘ficar na casa de alguém? como confiar? e como o dono consegue confiar na pessoa que está hospedada em sua própria casa sem conhecer ninguém?’. É muito mais simples e prático do que se imagina.

Quando comecei a organizar minha viagem para a Europa, logo em fevereiro, minha amiga que me recebeu na Irlanda sugeriu que usássemos o Airbnb para nossas viagens a Londres e Roma. Fiz o cadastro no site e me permiti conhecer o famoso serviço de receber pessoas em casa a preços acessíveis. A empresa tem uma filosofia friendly, com alguns padrões a serem obedecidos pelos anfitriões.

Acabamos usando apenas o de Roma, e a experiência foi a melhor possível. Para escolhermos o local, consideramos a classificação do anfitrião, os valores, a localização e principalmente os comentários de pessoas que se hospedaram lá previamente. No momento em que você reserva o quarto/acomodação, você pode conversar com o anfitrião e tirar qualquer dúvida que tiver sobre a hospedagem. Importante verificar a política de cancelamento, caso haja algum imprevisto. No dia que chegamos, a dona estava nos esperando e nos deu todas as informações possíveis sobre o quarto, vizinhança, transporte entre outras dicas, sendo muito simpática. Ficamos à 10min a pé do Coliseu, então estávamos bem localizados, com transporte e mercados próximos. O quarto era ótimo, éramos em 3 pessoas (eu, minha amiga e o marido dela), estilo flat. No final, você também poderá avaliar a hospedagem e a anfitriã, deixando seu comentário para o próximo que estiver procurando onde ficar.

foto do quarto onde ficamos hospedados em Roma. Fonte: airbnb.com.br

Em resumo, recomendo demais a minha anfitriã em Roma e o serviço do Airbnb, que desmitificou tudo que eu pensava antes sobre hospedar pessoas estranhas em sua casa. A experiência foi incrível, e com certeza pretendo usar nas próximas viagens! Para quem está procurando hospedagem em Roma, este é o perfil do local onde ficamos.

Pra quem for usar o Airbnb pela primeira vez, clique aqui e ganhe um desconto de R$100 logo na primeira hospedagem!

E você, já usou o Airbnb? Se sim, manda sua experiência pra gente!

 

Continue Reading