Você precisa se perder na cidade

Quando temos um roteiro pronto e fechado, existe uma ilusão de garantia que tudo vai correr da forma como foi planejado. Porém, o segredo de uma viagem surpreendente está exatamente no oposto. É necessário se perder.

Falar em se perder tem um teor negativo, logo dá uma sensação de desespero e medo do desconhecido. Mas aqui o sentido é outro. É você se deixar sair do roteiro, caminhar sem rumo e conhecer outros parâmetros que podem te surpreender e encantar.

Estive em Dublin em Maio/Junho deste ano, e acabei pegando um ônibus errado vindo do aeroporto quando voltei de Londres. Fui parar em um lugar que a princípio era desconhecido pra mim. Já era tarde, perto de 23hs e eu estava na rua, sozinha, com uma mala de bordo tentando voltar pra casa. A maior dificuldade naquele momento era entender o sotaque do motorista do ônibus, e tentar reconhecer o lugar que eu estava, no escuro, pra achar o rio e voltar pra casa. O medo bateu, o desespero também. Não tinha internet e não tinha como avisar ninguém. Logo pensei ‘tem tanto brasileiro aqui, vou esperar ouvir alguém falando português na rua e pedir informação’. Mas sabe aquele medo de São Paulo que não importa onde vamos, carregamos conosco? Pois bem.

Várias pessoas falando português passaram por mim e eu não parei ninguém pra perguntar. Comecei a reconhecer o lugar. Tinha passado ali só uma vez desde que tinha chegado na Irlanda. Em Dublin não é difícil andar, não achei a cidade tão grande, e a casa da minha amiga onde eu estava hospedada era bem localizada. ‘Só seguir o rio até o final e virar à esquerda’. Precisava encontrar o tal Rio Liffey.

Ha'penny Bridge sobre o Rio Liffey, em Dublin.
Ha’penny Bridge sobre o Rio Liffey, em Dublin.

Por uma boa memória, reconheci o lugar e encontrei o rio. Naquele momento era só atravessar a ponte e pegar o ônibus no sentido certo que iria até o final e me deixaria na rua de casa.

Moral da história: Não acreditei que poderia me virar sozinha naquele momento de desespero. Onde eu estava? Como poderia voltar pra casa? Nessas horas não tem inglês suficiente que passe pela sua cabeça pra conseguir perguntar muito menos conseguir entender a resposta. Me virei. Consegui chegar. Superei um medo e um desespero momentâneo. Me deixei me perder e me encontrei. A surpresa foi a melhor de todas: A segurança e autoconfiança me mostraram o caminho certo. A boa memória ajudou também. Portanto, deixe-se perder para se encontrar e se surpreender. O imprevisível também é uma ótima experiência.

Pra quem quiser saber mais sobre o Rio Liffey e suas incríveis pontes: https://www.e-dublin.com.br/conheca-as-cinco-pontes-mais-famosas-de-dublin/

Continue Reading

Tudo o que rolou no Salão do Estudante 2016

Este ano o Livre Embarque juntamente com o Viajei, Viciei, esteve no primeiro dia do Salão do Estudante, em São Paulo.

Com filas imensas já nas ruas próximas do local, a feira de cursos e oportunidades no exterior foi um sucesso! Uma gama de países, escolas e agências marcou presença, com seus representantes prontos para explicarem tudo que qualquer um perguntasse para tirar as dúvidas e finalmente embarcar para realizar um sonho!

No geral, era possível encontrar cursos com duração de um mês, cursos mais longos, high school em vários países, universidades e cursos profissionalizantes. Uma opção que não é nova mas está em alta são os cursos para pessoas com mais de 30 anos ou mais de 50. Os destinos mais procurados para este tipo de perfil são Malta e Chicago.

Quem pode conferir a feira de perto viu o enorme stand da Bil Intercâmbios e Turismo, com vários cursos e opções de férias para o público teen, incluindo também o High School para aqueles que queiram cursar o colegial fora do país, além dos cursos de férias com guias. Vale a pena entrar em contato! Você pode falar com eles acessando o site oficial.

Também era notável a imensa procura para Irlanda e Austrália, como o stand do pessoal da E-Dublin, que levou uma experiência de realidade virtual para a feira onde o participante poderia visualizar Dublin como se estivesse por lá! Ou quando o assunto era realmente estudar e trabalhar no exterior, a SEDA College também explicou tudo sobre as leis e condições da Irlanda, com ótimas opções para quem quer estudar sem gastar muito.

Já quando o assunto é Austrália, a Hello Study te conta tudo sobre esse país incrível como alta qualidade de vida! Mas não é só isso, eles também oferecem opções na Inglaterra, Canadá e Estados Unidos.

Argentina, Finlândia, Dinamarca e Portugal também são destinos que agora possuem procura para a experiência do intercâmbio. Portugal inclusive aceita a nota do ENEM em determinadas instituições e você pode trabalhar! Tá muito mais fácil estudar fora agora!

O evento acontece agora no Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte e Salvador.

Você pode conferir todas as empresas que participaram do evento através do site oficial do Salão do Estudante, ou até através do Viva Mundo, onde você encontra milhares de cursos, promoções e escolas, da forma como você preferir.

Agende seu intercâmbio, arrume as malas e embarque! 🙂

Continue Reading

Visita ao Coliseu

Em junho, quando fui à Itália, tive a sorte de me hospedar pertinho do Coliseu (você pode ler sobre isso clicando aqui). Estava à uma distância a pé, então todos os caminhos começavam por lá. Porém, só tive a oportunidade de conhecê-lo por dentro no meu último dia em Roma.

Na frente do Coliseu, você encontra várias pessoas vendendo ingressos para o tour que acontece lá dentro, entre outros lugares turísticos da cidade. Porém a visita é gratuita todo primeiro domingo do mês. Então não precisei comprar ingresso nenhum.

E como a gente bem conhece, tudo que envolve GRATUIDADE, tem seus poréns. Além de ser um domingo, era início de temporada. Estava completamente cheio e com filas gigantescas. Mas a boa notícia é que as filas andaram super rápido. Chegamos no Coliseu às 9hs, e simplesmente entramos na fila e aguardamos. Nesse momento, é preciso ficar atento, pois muitos furam a fila, já que não há uma divisão nem organização. É tipo a fila do mercado. E além disso, tem muitas pessoas que querem vender o tour com guia em idiomas específicos. Sinta-se a vontade para contratar caso não tenha o domínio do inglês. O sol estava judiando, mas nada me tiraria dali. Eu queria MUITO entrar e ver de perto aquele marco histórico.

Na época que eu fui, a reforma do Coliseu estava em sua fase final. Por isso, alguns lugares lá dentro não tinham acesso permitido, e era possível ver andaimes em alguns pontos. Nada que atrapalhasse a visita. O legal de ficar na fila é poder ver com calma os detalhes da construção, e tirar foto com outras ruínas que ficam próximas.

Após algumas horas de fila, entramos e logo no começo nos deparamos com aquela imensidão. De fora não parece tão grande. Uma vez lá dentro, você adentra também aos livros de história. Roma é história pura. Aquele lugar detém muita energia, mesmo centenas de anos depois.

Para quem não sabe, vale a pena ler sobre a história do Coliseu antes. Até porque, se você for visitar em dias cheios como eu fui, vai ser meio impossível conseguir ler todas as placas que contam sobre a história do lugar (que estão em inglês, aliás). Então se tiver interesse, super recomendo saber o que rolou ali.

Já sabendo a história, não tem como você entrar e não sentir toda a energia daquele lugar. Para explorar o Coliseu, prepare-se para as escadas íngremes e com degraus irregulares, e principalmente para a eterna briga de conseguir um bom cenário para sua foto sem aparecer um desconhecido no fundo. É difícil, porém não é impossível. Ah, e vale a pena conhecer e explorar todos os andares.

Lá dentro tem também uma loja de souvenirs, um tanto quanto caros, mas algumas coisas valem o preço. Comprei um livro que reconstruíram várias obras de Roma digitalmente. Levei de última hora pro meu pai que estava no Brasil. Achei uma aquisição incrível e que valeu cada euro. Além disso, tem várias camisetas, cartões postais, enfim. Se não quiser comprar nada, a visita já vale a pena.

Para quem é apaixonado por história como eu, a visita é obrigatória. Eu poderia ficar um dia inteiro lá dentro, só lendo sobre o Coliseu e admirando a arquitetura infelizmente já deteriorada. Espero que você leitor, quando for para Roma, se encante e volte no tempo, como aconteceu comigo. É um lugar único e precioso!

Continue Reading