I left my heart in San Francisco – parte 1

Decidi que falar sobre SF requer muito mais de um post. São muitas coisas pra falar, muitas emoções a compartilhar. Portanto, esse vai ser o primeiro de uma série que será postada por aqui.

Confesso que antes de fazer meu intercâmbio, nunca tive pretensão nem vontade de ir para SF. Talvez, um dia, conhecer a Golden Gate, mas nada que me tirasse horas na frente do computador pesquisando igual faço até hoje com Los Angeles.

De início, eu queria juntar a vontade de conhecer a Califórnia, com um investimento, que seria um intercâmbio de estudos. Dentro da minha área, encontrei um único curso que me interessava e naquele momento me senti frustrada pois o curso não aconteceria em LA, e sim em SF. Imediatamente comecei a pesquisar em como me deslocar aos fins de semana para Los Angeles. Resumo: não deu certo chegar em Hollywood. Resolvi aproveitar a belíssima cidade onde eu estava, que aprendi a amar ao longo dos 2 meses em que morei lá.

Sobre a experiência de ser estudante, vou contar em outro post. Hoje, vou falar da incrível oportunidade que foi conhecer San Francisco. Cidade recheada de charme, as casinhas no estilo vitoriano conquistam o coração de qualquer um. Constantemente me lembravam casinhas de boneca, ou até mesmo a lembrança do seriado ‘Três é Demais’ me vinha à mente.

A vida em SF é relativamente cara. O transporte é caro, mas é essencial, uma vez que dirigir pela cidade e principalmente estacionar por lá é tarefa quase impossível. O muni (uma espécie de bonde-metrô sobre trilhos pela cidade), o bart (metrô) e os ônibus te levam para os principais cantos da cidade, já que não considero SF tão grande. Além dos bondinhos, é claro, que te levam do centro até o píer. Porém também acho bem caro o ticket pra andar de bondinho (ou cable car, como eles chamam). Quando eu fui, em 2013, custava U$6, pelo que pesquisei o preço continua sendo esse. E sim, você anda pendurado, sentado, onde tiver espaço. Vai um cobrador dentro e alguém pra guiar o bonde (manualmente! Imagina a força!). Costuma ficar bem cheio, e as filas são bem longas. Recomendo que pegue nos pontos finais, como no centro ou no píer. Para economizar, você pode utilizar o bilhete único deles. Considerar que cubra as viagens de cable car e quantos dias você for ficar na cidade, relacionando custo x benefício.

Em San Francisco você encontra muita gente de todas as partes do mundo, mas principalmente orientais. É a cidade dos Estados Unidos que mais abriga orientais, entre eles chineses, coreanos, japoneses, e filipinos. A família que me hospedou lá é de filipinos! São uns amores <3 E são também os orientais a maioria nos cursos de intercâmbio como inglês, preparatórios e certificados profissionais. Lá também tem o bairro China Town, como de costume em quase toda grande cidade americana.

No próximo post contarei mais sobre a cidade mais linda da Califórnia e seus costumes locais. E você, já foi pra San Francisco?

Continue Reading