Bruxelas em 1 dia – dicas e roteiro

Texto por: Greice Marques

Hey guys, hoje estou aqui para falar um pouquinho da minha viagem para Bruxelas, na Bélgica. Primeiramente devo dizer que a escolha foi bem aleatória. O único motivo de eu ter visitado a cidade é que queria ir para Amsterdam (clique aqui para ver meu relato sobre a cidade) e pela Bélgica estava mais barato. A Eurostar (empresa de viagens de trem da Europa) estava na promoção, então resolvi viajar de Londres a Bruxelas e de lá pegar um ônibus (que leva em torno de 4 horas) para Amsterdam. Quando decidi ir não conhecia nada sobre a cidade e algumas pessoas me disseram que era uma cidade sem muita coisa para ver ou fazer, por isso resolvi ficar apenas um dia por lá, mas me surpreendi com o lugar.

A minha primeira impressão da cidade não foi das melhores, a maioria dos prédios tem pichação, algumas ruas do centro são estreitas e o transporte público (trams) estão velhos e mal cuidados, mas percebi isso apenas do caminho da estação de trem até a casa em que ficamos (que pegamos pelo Airbnb), e não é muito diferente das ruas no centro de São Paulo ou Florianópolis por exemplo.

Eu tinha um roteiro de uma amiga minha que fez o caminho inverso (de Amsterdam para Bruxelas) alguns dias depois e todos os lugares que iríamos visitar ficavam a menos de 1km de distância do ponto central, chamado Grand Palace. Eu e minha amiga acabamos fazendo tudo a pé e visitamos quase todos os lugares em menos de 5 horas. No verão escurece por volta das 11 da noite, então o tempo é muito bem aproveitado. No ônibus de volta para o quarto vimos os bares lotados e muita gente nos parques da cidade com piquenique e bebidas, fazendo o happy hour depois do trabalho.

Vou começar dizendo que o forte da cidade é a comida. Havia duas coisas na lista que precisávamos provar: Belgian Waffle e Belgian Fries. Eu que não sou muito de batata frita, achei elas mais gostosas do que o normal, mas nada se compara aos Waffles de lá. Eles se encontram em várias lojinhas perto e entre as ruas da praça principal da cidade e variam na questão do preço dependendo da quantidade de cobertura que você quer. Procurem as lojinhas que é possível ver o waffle feito na hora. Eu comi um com caramelo e morango e GENTE O QUE ERA AQUILO! MARAVILHOSO! E só paguei 3 euros. E é claro, existem mais lojas que vendem chocolate do que é possível contar! Aconselho a olharem bem porque existem umas que são mais caras que as outras sem necessidade, andem bastante e explorem as milhares de lojas de chocolates que tem em volta do Grand Palace.

Além disso, existem umas ruazinhas perto da praça principal que tem milhares de restaurantes um do lado do outro e as pessoas praticamente te puxam para dentro. Vale a pena comer ali também. Um fato curioso: a maioria dos pratos são frutos do mar. Perguntei o porquê e me disseram que a muito tempo atrás havia um canal ali e os frutos do mar chegavam fresquinhos, direto dos pescadores. As porções são bem generosas e por um preço bem razoável. No geral achei a cidade bem acessível.

Fomos ao Grand Palace, que é um conjunto de prédios lindíssimos com uma praça no meio e que não importa de onde você tire fotos não vai conseguir pegar todos os prédios. Hahahaha. Depois fomos ver o tal do Manekin Piss, que é uma estátua de um menininho fazendo xixi que é muito famosa por lá mas é muito decepcionante. É minúscula e sem propósito, mas vale a pena ir até lá porque fica em uma ruazinha estreita que tem várias lojas que vendem Belgian Waffle e Belgian Chocolate bem baratinhos. Depois disso tínhamos algumas igrejas e praças para visitar e é aí que fomos andando e achamos as coisas sem saber os nomes dos lugares, e no fim descobrimos que tínhamos feito a lista inteira sem querer. Explorar a cidade a pé é a melhor opção sem dúvida. Não é um passeio cansativo e as coisas são perto umas das outras.

Encontramos uma igreja chamada St. Mary’s royal church do século 19 que não estava na lista, mas que foi o lugar mais legal da cidade. Usamos um elevador público que nos levava a praça na frente da igreja e que tem uma vista lindíssima da cidade inteira. Fomos também ao Mont des Arts, que é uma praça na frente de um dos pontos turísticos da lista. O lugar é lindo e como a cidade é cheia de colinas geralmente todos esses lugares tem grandes vistas. Vimos o royal palace que é bem bonito mas o parque na frente dele é o que mais vale a pena. Caminhamos por lá e ficamos descansando um pouco antes de voltar para o quarto. A última coisa que fizemos na cidade no outro dia de manhã (antes de voltar para o centro para comer mais, é claro), foi visitar o Cinquentenaire Park que também é muito bonito e passamos um tempão olhando as pessoas brincando com seus cachorros.

No geral, adorei a cidade (talvez porque tenhamos pego dias maravilhosos e ensolarados), os lugares são bem bonitos, fáceis de encontrar, é possível fazer tudo a pé, e as comidas são incríveis. Recomendo muito para quem tem vontade de conhecer um pouquinho da Bélgica.



Booking.com

Posts Relacionados

Leia também